3 crenças limitantes que podem te impedir de fazer pole dance

Tempo de leitura: 4 minutos

Eu sei que a tentativa de enumerar todas as razões que te levariam a não fazer pole dance é complexa. Minha intenção não é montar uma lista completa dos casos, mas, sim, apontar as que mais se repetem e, assim, contribuir para que você não caia nessa armadilha.

  • “Eu não tenho esse talento. Para fazer isso eu teria que ter esse dom”

Quando vemos uma pessoa desenvolvendo uma atividade esportiva e/ou artística como a da atleta da imagem acima, logo ligamos seu sucesso ao talento, ao dom. Já ouvi inúmeras vezes, meninas afirmarem que queriam ter nascido com uma habilidade nata. Pois se tivessem tido esse dádiva, a vida seria melhor; pois só assim, estariam aptas a fazerem tudo que sempre desejaram realizar,  mas que não fizeram (e nem fazem), porque entendem que não foram contempladas com essa benção.

Eu não quero negar a existência de pessoas talentosas; muito menos dizer que não exista pessoas com habilidades incríveis. Não, não é isso.  O que quero dizer é que menosprezar nossos sonhos em realizar algo, julgando que para realizá-los precisaríamos de talentos iguais ao do Pelé, estaríamos errados. Compreendo que muito mais importante do que o talento, é termos ação, atitude. Isso, sim, tem valor. Pois necessita de um enfrentamento contra aquele que é sem dúvida alguma nosso maior adversário para alcançarmos o sucesso: nós mesmos!

  • “Eu não tenho tempo. Ah, se eu tivesse tempo, tempo tempo…”

Definitivamente essa é uma das frases que mais se destacam: falta de tempo. Ela, na verdade, é a que mais usualmente utilizamos para justificar nossa falta de ação. Se não iniciamos uma atividade física ou um curso qualquer, ainda de idiomas, por exemplo, é porque não temos tempo. Ah, tempo, tempo, tempo…

Curiosamente, com tantas desculpas pela falta de tempo, conseguimos o tão escasso para assistir a uma série, ou para aquelas longas conversas no WhatsApp. Nada de errado com isso, se nossa desculpa não estivesse fundamentada na falta de tempo para realizarmos o que de fato deveríamos fazer, mas, que, insistentemente, afirmamos não dispormos dele. Pois, se, tivéssemos, é assim que falamos, “certamente pole dance eu faria.” Portanto, vamos priorizar aquilo que realmente importa. Administrar nosso tempo para a realização daquilo que de fato trará benefícios para o presente e o futuro. Lembrando que nós somos as responsáveis e donas de nosso tempo!

  • A grama do vizinho é sempre mais verde que a minha”

Esse ditado popular pode parecer bobeira, mas é uma verdade para muitos. A medida que ouço de inúmeras mulheres a afirmação de que elas não tem a mesma força, flexibilidade, elegância e vitalidade que a maioria das atletas que se exibem no pole dance, percebo a importância desse tema.  Pois, os movimentos que deveriam servir como motivador, acabam fazendo com que desistam.

Alguém pode dizer: mas como isso é possível? Para esclarecimento sobre esse impasse, devemos – antes de mais nada – nos lembrar que a criação que cada pessoa recebeu ao longo da vida é única, e que a carga emocional foi individualizada. Não sendo possível fazer um “julgamento”, baseando-se em nossas próprias experiências. Portanto, vale dizer que tão verde quanto a grama do vizinho é a nossa. Entender que na vida as oportunidades são para todos, sejam boas, seja ruins, possibilitará experimentarmos coisas incríveis no pole dance e/ou em qualquer outra atividade.

Este ditado que diz que a grama do vizinho é sempre mais verde que a minha é uma metáfora cujo alcance pode ser percebido em muitas áreas de nossas vidas. A depender do alvo do nosso olhar, a grama do tal vizinho pode ser representada por uma suposta habilidade esportiva, ou por uma capacidade intelectual, ou por uma beleza (que só nós enxergamos), ou por uma inteligência  admirável etc.. etc… etc… 

O fato é que essa grama pode ter inúmeras representações, inúmeras formas. Nada disso importa! Enquanto não olharmos para nós mesmos e aceitarmos a luz de nosso potencial, ainda que curta inicialmente; vamos ficar a contemplar a vida do outro e esquecendo do principal: do quanto podemos realizar, do quanto podemos florescer, dependendo apenas para isso de nossas ações e atitudes voltadas para nós!

Portanto, vamos cuidar do que é nosso! Cuidar do nosso tempo e sabermos que nossa ação e trabalho nos levará a conquistas incríveis!

Pole dance, prática que transforma vidas!

5 Comentários


    1. Maria,
      Boa noite!
      Tudo bem?

      O início é sempre muito complicado, seja na atividade que for.
      O importante é não olharmos para os lados, mas, sim, para nosso objetivo.
      Se você deseja fazer pole dance, poxa, não hesite. Faça!
      Não permita que a falta de tempo, ou qualquer outra coisa, que, na maioria das vezes, são situações que criamos e que servem apenas para nos afastar de nossos sonhos, de nossos objetivos.
      Você pode!
      Pole dance é para você.
      Foco!
      Conte comigo!
      Bjos

      Responder

    2. Maria
      Boa noite!
      Querendo me adicionar, meu whatsApp é 21 97338-1878.
      Beijos

      Responder

  1. Eu adorei fazer pole fiz básico
    mais não pratico mais

    Responder

    1. Bom dia, Isabel.
      Tudo bem?
      Obrigada por sua participação aqui.
      De fato pole dance é uma prática que deixa saudade,
      sobretudo depois de algum tempo de prática quando temos de deixar de treinar por algum motivo.
      Mas não tem problema.
      Você poderá retornar, tendo nosso curso como metodologia.
      Em breve, estaremos lançando.
      Você ficará sabendo dos detalhes
      Havendo alguma dúvida, pode me chamar.
      Bjos

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.